Eurodeputados pedem à UE para não apoiar a indústria militar de Israel

10518577_790551391002222_791613107509817914_oUm grupo de 73 eurodeputados, entre os quais Marisa Matias, enviaram à Alta Representante da UE para a Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, e ao Director-Geral da DG Investigação e Inovação, Robert-Jan Smits, uma carta sobre o apoio da UE à indústria militar de Israel através do programa Horizonte 2020.

É a primeira vez que uma iniciativa destas recebe um apoio de tantos deputados e de um espectro político tão vasto, uma vez que inclui 5 dos maiores grupos políticos do Parlamento Europeu, e que visa assinalar o primeiro aniversário dos bombardeamentos de Gaza durante o verão de 2014. Além disso, esta carta vem dar eco a um apelo lançado em Maio último, por diversas organizações, sindicatos e associações civis palestinianas para que fossem excluídas dos programas de investigação da UE, as empresas militares israelitas. 

Na sua missiva, os deputados realçam que:

“A Elbit Systems é uma das maiores empresas militares israelita, e uma das maiores fabricantes de drones, armas e outras tecnologias que são uma parte fundamental do aparelho militar de Israel. Financiar a investigação e o desenvolvimento tecnológico da Elbit Systems ou de qualquer outra empresa similar constitui, no mínimo, uma violação da política europeia relativa ao financiamento de projectos de dupla utilização. Por outro lado, a tecnologia da Elbit foi desenvolvida durante as acções militares de Israel que foram severamente condenadas pelos Estados Membros da União Europeia e que desencadearam mobilizações massivas em toda a Europa.”

” A União Europeia tem vindo repetidamente a condenar os colonatos e as políticas de Israel na Área C. Parece, pois, uma clara contradição com as políticas europeias, atribuir fundos para a investigação e desenvolvimento a qualquer companhia israelita que esteja envolvida nos colonatos ou no Muro, ou que possam usar essa tecnologia para aprofundar ainda mais estas políticas ou melhorar as tecnologias desenvolvidas para esses fins.

Os deputados concluem:

“Acreditamos que é nosso dever assegurar que o dinheiro público é utilizado em projectos que promovam os valores e os princípios da União Europeia, e que respeitem o seu compromisso geral de defesa e promoção do Direito Internacional, tal como está estabelecido pelo Tratado da União Europeia.”

Martina Anderson, deputada do GUE/NGL e Presidente da Delegação para as Relações do Parlamento Europeu com o Conselho Legislativo da Palestina, promotora da iniciativa, denunciou:

“No âmbito do anterior programa de investigação europeu, o FP7 (2007-2013), a Elbit Systems e a Israeli Airspace Industries participaram em projectos avaliados em €393,600,149; vários deles eram projectos para desenvolver o potencial dos drones.”

e concluiu:

“Acredito que é nosso dever assegurar que o dinheiro dos contribuintes da União Europeia é usado em projectos que respeitem os compromissos da UE de defender e promover o Direito Internacional e de forma coerente com a posição da UE de não reconhecimento dos colonatos nos Territórios Ocupados.”

Pode ler a carta na íntegra (em inglês) clicando aqui